Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

A ARTE NUNCA ESTEVE COM INDIGESTÃO

Vou poupar a todos de uma crônica de um infarto não anunciado mas ver ali aqueles meus dois amigos diante de um leito que poderia ser de morte me deu a dimensão de certas coisas. Dimensão precisa, incontornável. Os quase “sessentões” sobre mim debruçados eram os mesmos que ainda longe dos 20 dividiam planos , mistos quentes e Pepsi Colas num bar fuleiro- que a gente chamava “ Bar Imundo” -  na rua General Jardim , centro de São Paulo, bem ao lado da Biblioteca Monteiro Lobato que a gente freqüentava todos os sábados para falar de livros, autores e palavras que a gente inventava.
    Naquela cidade que vivi aos 15 anos cabia muita coisa que hoje nem se mede nas distâncias percorridas, nas prosas então levadas, naquilo que poderia ser. Que foi e que não foi. As escolhas que fizemos ficaram ali por aqueles quarteirões que reluziam durante a noite pois estávamos em plena “Boca do Luxo”. Ali, alheios a um certo tipo de movimento lascivo e gosmento , falamos tanto sobre as tais escolhas …

Últimas postagens

CHATO É QUEM NÃO GOSTA DE POESIA

beleza fora de lugar ?

a mulher envelhece

Nunca quisemos ser Zagallos

Como esquecer alguém que se ama

COIVARA

O menino que enxergava coisas

PARA A ÁGUA VAMOS REGRESSAR

DISCOS VOADORES E ALTA QUILOMETRAGEM

DESTINO FEDORENTO